• Comunicação CRMV-RN
  • 13/08/2019

Semana Nacional: você sabe o que é e como prevenir a Leishmaniose Visceral?

Data visa estimular ações educativas e preventivas e promover debates sobre as políticas públicas de controle das leishmanioses no Brasil.

A Semana Nacional de Combate à Leishmaniose ocorre dos dias 10 a 15 de agosto, para estimular ações educativas e preventivas e promover debates sobre as políticas públicas de vigilância e controle das leishmanioses no Brasil. A ação foi instituída pela Lei Federal nº 12.604, de 3 de abril de 2012. Você sabe o que é essa doença? Sabe como ocorre tratamento e prevenção? Conheça um pouco sobre ela.

Leishmaniose visceral

A leishmaniose visceral (LV), conhecida popularmente por calazar, é uma doença infecciosa que acomete os animais e o homem. É causada pelo protozoário Leishmania infantum, a mesma espécie que causa a doença na Europa. O protozoário é transmitido para pessoas e cães por meio da picada de fêmeas de insetos denominados flebotomíneos (birigui, tatuquira, mosquito-palha etc.). Os flebotomíneos se infectam com a Leishmania quando picam cães infectados.

A LV em humanos é considerada, pela Organização Mundial de Saúde, uma das principais doenças negligenciadas do planeta, pois ocorre com maior frequência em populações de maior vulnerabilidade social, principalmente em crianças. É uma doença grave e que pode levar a morte se não for tratada oportunamente e adequadamente. Por esses motivos, caracteriza-se como um desafio à saúde pública mundial e um dos principais problemas de saúde veterinária para os cães, com alta relevância para a saúde pública no Brasil.

Nesse cenário, existe risco para a saúde humana e canina quando cães infectados (com ou sem sinais clínicos) são mantidos em ambientes com características favoráveis à presença do vetor (exemplo: áreas com acúmulo de matéria orgânica, nas quais existam animais de criação em ambientes sem limpeza diária, como galinheiros, ou em áreas próximas a matas, rios e lagos).

Prevenção da LV

A melhor medida ainda é a prevenção. Limpe o ambiente interno e externo das residências com a retirada de matéria orgânica (restos de alimentos, folhas, frutos, fezes de animais etc.) para evitar a presença do vetor. Leve o animal regularmente ao médico-veterinário, mantendo-o saudável e bem alimentado. Use telas de malha fina nas janelas das casas e nos canis, pois o inseto é muito pequeno (só tem 3mm de diâmetro). Utilize nos cães produtos que repelem e matam os insetos transmissores da doença, como coleiras impregnadas com inseticida e pipetas, obedecendo às recomendações dos fabricantes e o prazo de validade. Quando for possível, evite a exposição do seu animal ao ambiente externo após às 17h. Vacine o cão com a vacina antileishmaniose visceral somente após exame sorológico para se certificar que o animal não está infectado, seguindo as recomendações do fabricante e o prazo de validade, e utilize as medidas preventivas mencionadas para poder vacinar o cão com segurança, uma vez que nenhuma vacina é 100% eficaz.

Confira o Manual de Procedimentos para Vigilância e Controle de Leishmanioses nas Américas (em espanhol): https://bit.ly/2GX9DMe.

Tire duas dúvidas sobre a Leishmaniose Visceral Canina (LVC) aqui.

Ver todos

GLOBO RURAL: Zootecnista desenvolve 'bife' para abelhas enfrentarem seca no RN

Ração barata tem evitado abandono dos insetos em colmeias da região.

Ufersa abre processo seletivo para professores substitutos com vagas para médicos-veterinários

Oportunidades são para trabalho no Centro de Ciências Agrárias, em Mossoró, com salário de até R$ 3.130,85,.

Plenário da Câmara conclui votação de projeto que regulamenta vaquejada

Projeto agora segue para sanção presidencial.

Presidentes do CFMV e da Câmara dos Deputados se reúnem em Brasília

Em pauta, o Projeto de Lei sobre bem-estar animal, que conta com contribuição de médicos-veterinários e zootecnistas